quinta-feira, 12 de julho de 2018

A Raven está de volta! 👁

Sim, eu sei. Já faz mais de um ano que a Raven voltou, mais crescida, e com uma família maior. Não vi logo os novos episódios porque, na verdade, estava com medo de que o meu ''eu'' de 2018 rejeitasse a nova Raven e apagasse as boas memórias da Raven de 2002. Contudo, já estou a par de toda a situação!

Antigamente, a box da TV Cabo (que, posteriormente, evoluiu para ZON e, hoje em dia, conhecemos como NOS) tinha muitos canais de valor acrescentado. O Disney Channel era um deles. Cá em casa, tínhamos o pacote mais pequeno de canais e, adicionar o Disney Channel, aumentava significativamente o custo da mensalidade desta nova forma de ver televisão.

Um vez por festa, a TV Cabo deixava todos os canais em aberto durante algumas horas e, no melhor cenário, durante alguns dias. Não imaginam a alegria que eu e a minha irmã sentíamos ao marcar o número 40 no telecomando e, graças a falhas no sistema ou a manobras de marketing, lá aparecia a House of Mouse, a Kim Possible, a Brandy e o Mr. Whiskers e, à noite, That's so Raven!!




Fonte: https://i0.wp.com/espalhafactos.com/wp-content/uploads/2017/04/8c6ba46e-7d47-4ff5-9112-2207ac47b5d4-1477584869.jpg?resize=759%2C500&ssl=1





🎵 If you could gaze into the future (future)
You might think live would be a breeze (Life is a breeze)
Seeing trouble from a distance (yeah) (go rae)
But it's not that easy (oh no) ðŸŽµ




A Raven era muito divertida, confiante, gostava de arte, mais especificamente de design de moda (na altura, esta também era a minha profissão de sonho 😃), e tinha uma habilidade especial: previa o futuro. Durante o episódio, Raven tinha sempre uma visão. Se esta fosse boa, a protagonista e a sua melhor amiga Chelsea fariam de tudo para assegurar que se iria concretizar; se, pelo contrário, a visão fosse um mau agouro, as companheiras prontificavam-se para fintar o futuro. 


Depois de muitas peripécias, tudo acabava bem e a lição que o petiz espectador deveria aprender era que, mesmo para quem tem superpoderes, a vida não é perfeita e nada é exatamente como idealizamos. Ao longo dos cem episódios (sim, foi talvez a mais longa série do Disney Channel) da Raven de ''primeira fase'', somos cativados pela roupa criativa que veste, pelos seus desfiles de perucas e pelos tempos de comédia certeiros de Symoné. 



Fonte: https://3.bp.blogspot.com/-8bNFzRXE5ro/WomzL86zN1I/AAAAAAAABww/AkXiRjdl8hYJYyCNAcvLRLPgIIId009pQCLcBGAs/s1600/1000x405-Q100_6d230a52d8adbb21aa9fabe613e8763a.jpg


Fonte:https://www.tvinsider.com/wp-content/uploads/2017/10/146690_0046_R2-1014x570.jpg



Como referi, a lição a retirar é que a vida não é perfeita. A ''nova fase'' da Raven vem comprovar isso mesmo e sublinhar que a criatividade e a persistência são as virtudes essenciais que devemos cultivar. Os casamentos de Raven e Chelsea não correram bem e as amigas, agora na casa dos trinta e com filhos, estão longe de trabalhar no que sonharam. Raven é designer de moda canina e Chelsea, que outrora fez sucesso na publicidade, está desempregada e sozinha, já que o marido lhe roubou uma pequena fortuna. 


De modo a combater as dificuldades financeiras e a restabelecer a alegria e o divertimento, as amigas decidem viver juntas, com as suas crianças. O apartamento de Raven abriga, então, Chelsea e o pequeno génio economista Levi. O foco está mais voltado para a criançada, uma vez que um dos gémeos Baxter partilha o superpoder da mãe. Agora temos visões em dose dupla, mães à beira de um ataque de nervos, mas que continuam cool e a praticar os seus moves, mais perucas, moda para cães e tentativas desesperadas de manter a ordem no caos. 


Para mim, a Raven sempre terá muita piada. Lembro-me perfeitamente das cenas que me fizeram rir nos idos de 2002, 2003 ou 2004... Agora, a gargalhada é mais difícil. A comédia não me assenta tão bem como o drama, mas com umas bainhas e uns apertos... Vai lá! A atitude de diva continua e a espirituosidade também. A meu ver, das melhores séries que a Disney fez nos últimos tempos. Julgo que é muito importante mostrar, aos mais novos, modelos e padrões diferentes de sucesso, de corpo e de confiança. Em suma, diversidade.


P.s. Sei que é errado, mas continuo a querer ter o poder da Raven. Porém, tal como a filha dela, vou tentar dedicar-me mais à lógica das coisas. Este é o meu último post com 25 anos (😟😅 ) e, com o avançar da idade, estou a perder a esperança de que as visões algum dia apareçam. ðŸ‘




Escrito por Susana Ferreira. 

2 comentários:

  1. A minha irmã tem 22 anos e eu 29, nós sempre tivemos Disney Channel e ela devorava o que dava naquele canal. Eu via o que lá passava com ela. Mas a Raven sempre me irritou. Não lhe achava piadinha nenhuma! Hoje, tem o meu filho 9 anos e foi assim que tive conhecimento do regresso da Raven. A minha opinião mantém-se. A mesma parvoíce... Além de que não suporto as séries dobradas, ainda se tornam mais irritantes :P

    ResponderEliminar
  2. Olá Cynthia,

    Como eu e a minha irmã sempre gostámos, hoje em dia continuamos a ver em conjunto (ela tem 21 anos e eu 26 =D). É uma forma de estar em família. Penso que agora já há sem ser dobrada, é uma questão de procurar. Eu também prefiro sempre a voz original.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar