sábado, 27 de janeiro de 2018

Lúcifer 🔥👿




Se estão a precisar de uma dose generosa de boa disposição, hoje trago a luz ao fundo do túnel que tanto aguardavam! Esta luz vem das profundezas e estabelece-se na Califórnia, para fazer umas férias prolongadas. 




Fonte: http://www.filmandtvnow.com/wp-content/uploads/2016/05/Lucifer-FOX-TV-series-artwork.jpg


Pois é! O diabo (o próprio), farto das punições e do vil mundo inferior, considera que a sua vida de cão (de servo de Deus) chegou ao fim. Embora caído, Lúcifer é um anjo, como tal escolhe a cidade que melhor o define para assentar: Los Angeles. À moda de Camões, a série começa in medias res, uma vez que, quando o espectador conhece Lúcifer Morningstar, já o mafarrico arrecada cinco anos de convivência com os mortais. Durante estes cinco anos, o diabo transformou-se num empresário de sucesso e abriu a Lux, uma discoteca bem animada lá por aquelas bandas. Se pensam que o diabo se tornou bem-sucedido pelo seu charme, estão corretos. No entanto, há que realçar que aqui também vigorou a meritocracia. Para além de ter a faturação toda em ordem, Lúcifer encanta as noites das criaturas mundanas com sessões de música ao vivo, adornadas com um piano de cauda, uma voz sedutora e uma presença espirituosa. 


A somar a esta sua profissão, Morningstar gosta de saber os desejos mais obscuros dos humanos que se cruzam com ele, para que os possa concretizar, sejam eles benevolentes ou mais travessos. Tem o dom de olhar nos olhos das pessoas e de lhes arrancar as vontades mais recônditas. Ora, um dom desta dimensão tem de ser explorado ao máximo! O diabo aproveita o facto de ter conhecido Chloe, uma inspetora da polícia judiciária, para lhe impingir os seus valiosos serviços. Por outro lado, Lúcifer não descansa enquanto não descobrir por que motivo a inspetora não cai na sua hipnose diabólica. Assim, junta-se o útil ao agradável, para além de contribuir para a segurança da gente de Los Angeles, Lúcifer ainda pode investigar as origens de Chloe. 



Fonte: https://i.pinimg.com/originals/a3/a6/54/a3a654230029de61ad9cc1ac8dd73153.jpg



Os dois tornam-se parceiros de investigação e criam uma amizade muito cómica. Aliás, não esperem que a série seja dramática e cheia de desventuras proporcionadas pelo sobrenatural. Em Lúcifer, reina a positividade, o sarcasmo afiado, a ironia certeira e um caso de homicídio para desvendar em cada episódio. Evidentemente, que mais criaturas celestes vão aparecer e desestabilizar a vida ostensiva que Lúcifer foi construindo. Todavia, o fantástico é utilizado na medida exata. Não há exorcistas, crucifixos ou rezas. Há somente o caricato, a virilidade e a lascívia da figura que, outrora, governou o Inferno. 


Fonte:http://fangirlish.com/wp-content/uploads/2017/08/Lucifer-Cast-Header.jpeg


Entre a luxúria, uma vida de consultor da polícia judiciária e as sessões de psicoterapia com a Doutora Linda Martin, vamos assistindo a uma humanização progressiva do diabo, que vai ganhando consciência dos seus sentimentos, emoções e da forma como a sua presença pode afetar a vida do próximo. As únicas coisas que nunca irão mudar são o seu gosto refinado, a preferência por fatos de alta costura e o seu inesperado talento para lidar com crianças. 


Fonte: https://i.pinimg.com/originals/a8/74/6a/a8746a994052717541a7082a7d98ac03.jpg







👿




Fonte:https://i.pinimg.com/736x/02/d3/0c/02d30ce27e62afec9f1a3309492bb388--lucifer-morningstar-tom-ellis.jpg














👼












A série vai na sua terceira temporada e sai, todas as segundas, na Fox. Se estão a precisar de uma gargalhada, não a vão encontrar no Céu. 🔥





Escrito por Susana Ferreira.

sábado, 20 de janeiro de 2018

Bicho-de-conta






Eu sou quase um bicho-de-conta. Não digo bicho do mato porque, sempre que ouço essa expressão, aparece-me a imagem de um homem de Neandertal na mente e acho injusto... Faço um esforço para ter tudo sempre aparado e apresentável, gosto de pôr uma roupinha bonita e ainda não preciso  de forjar instrumentos de caça ou de defesa. Apesar de um bocadinho embrutecida, julgo que bicho-de-conta será o suficiente para o assunto que vou explorar. 

Tenho tudo balizado e gosto de estar enrolada, numa bolinha, a um cantinho, a digerir os dramas desta vida madrasta ou, simplesmente, a ver as minhas séries. Antes, achava supimpa estar muito tempo sozinha, a fazer a minha bolinha, na minha vidinha, com as minhas histórias de ficção. Se alguém me vinha aborrecer, eu rapidamente deixava a bola, punha-me hirta e mostrava o Hulk que há em mim. 

A minha irmã adora desfazer a minha bolinha e eu odeio quando ela vem, me dá uma lambada nas costas e diz algo do género aos meus ouvidos «É assim! Para te pores fina!». Eu solto logo um grito enfurecido e ela, ainda a fazer troça, diz muito calmamente «Ai! Deixa de ser Grinch!». Por algum motivo, quando fico irritada, entro numa zona verde e não vermelha, como seria esperado. 

Também adora estar a observar-me até eu questionar «O que foi?». «Nada!», lança ela. E ainda acrescenta «Mas eu devia gravar-te. Tu tens de te ver de fora... És tão autista!».

Estou há quatro meses a fazer uma bolinha, sem interrupções ou palmadas no lombo. O meu Phineas foi de Erasmus e, todos os dias, pergunto para o ar «O que vamos fazer hoje?». Não, não ponham os violinos tristes e as músicas duvidosas dos programas de daytime. Eu continuo a gostar de fazer a minha bolha, de ser autista e de andar a deambular pelo mundo que só existe na minha cabecinha de ave rara, no entanto falta aquela moleta para fazer as coisas que os irmãos fazem: criar uma discussão estúpida, falar por código, fazer piadas néscias, coscuvilhar, ir fazer queixas à mãe, ir às compras (porque só um irmão é que sabe dar uma opinião honesta e válida), achar uma coisa que não exista/ ou pôr um macaco a brilhar!


Estou há quatro meses a bater à porta de uma Elsa que não responde ao meu requisito «Do you want to build a snowman?» não me faz petiscos saborosos, nem solta um berro estridente e avança com a seguinte justificação «Estava só a precisar de extravasar!». 


Há quatro meses que não te esmago com os meus abraços de Big Hero 6. Mentira, esmaguei-te no Natal. Mas quero transformar-te em carne picada!!! 👿🐷🐽

Enfim, não ter os irmãos por perto é não ter com quem partilhar os filtros duplos do Snap, ter de passar frio durante a noite, ter de aturar as crises de meia idade dos papás sozinho, ter de ouvir apenas um nome quando é para arrumar alguma coisa em casa e fazer bolinha só para passar o tempo. 

Podes voltar, Joana. Quando chegares, tens à disposição as minhas costeletas reluzentes para mandares aquele tabefe que tanto aprecias. Em troca, quero o turrón que andas a prometer há já tanto tempo (o mais doce que existir). ¡Gracias!



Escrito por Susana Ferreira.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

The Marvelous Mrs. Maisel 💄🎤

Fonte: http://cdn.spoilertv.com/images/headers/the-marvelous-mrs-maisel.jpg


E, sim, vamos à segunda recomendação do ano, como já vos tinha antecipado no post anterior. Fiquei muito entusiasmada, quando, no domingo, soube que esta série havia sido galardoada com dois globos de ouro!!! Na realidade, uma obra tão simplesmente arrebatadora e genial não podia passar despercebida, até porque o guarda-roupa de Miriam, a nossa personagem principal, iria ficar a carpir até à próxima temporada de prémios. 

Lá chegaremos ao (maravilhoso) guarda-roupa, mas, para já, importa falar das linhas que cosem este (também maravilhoso) argumento. 

Em 1958, Miriam é a dona de casa perfeita. Na verdadeira aceção da palavra. Mrs. Maisel mede, cuidadosamente, a largura das suas ancas, do seu tornozelo, dos seus braços, do seu busto e até da sua alma, se for necessário. Aponta as suas medições num caderninho e, quando vai à ginástica, evita transpirar. Porque, como bem sabemos, suar não é coisa que fique bem a uma senhora. Mrs. Maisel veste muito bem e está sempre maquilhada. Sempre. Pelo menos, Joel não pode dizer que alguma vez tenha conhecido a cara lavada da esposa. Miriam tem muita atenção a esses pormenores... Quando Joel pega no sono, lá vai ela, a correr para a casa de banho, tirar as pestanas postiças, o batom e os pigmentos que dão o tom corado à face. No dia seguinte, é a primeira a acordar para montar, outra vez, a maquilhagem primorosa e o semblante que todos conhecem.

Para além dos dois filhos, Miriam vive para o marido e para o grande sonho dele: a comédia. Quando Joel sai da empresa, o casal costuma ir tentar a sua sorte num bar de novos talentos. Enquanto o senhor Maisel faz o seu número de stand-up, a senhora Maisel aponta, numa agenda, os altos e baixos da atução para que, na próxima oportunidade, possam melhorar e trazer piadas que surtam o efeito pretendido no público. A verdade é que Joel não é assim grande espingarda ... Que é como quem diz, não percebe da poda. Frustrado com os resultados medíocres que apresenta, Joel decide abandonar o lar e a vida perfeita que construiu. No calor da discussão, ainda revela à esposa que mantém um caso com a secretária da empresa. 

Na mesma noite da separação, Miriam, revoltada, sai de casa, de camisa de dormir e de sobretudo, e apresenta-se no bar de talentos. Do caos, nasce a excelência. Mrs. Maisel dá um show de comédia arrasador, pondo o público a rir, do início ao fim, com o desastre em que a sua vida acaba de se tornar. 


Fonte: https://images.theconversation.com/files/199029/original/
file-20171213-27565-jb6d6x.png?ixlib=rb-1.1.0&q=45&auto=format&w=926&fit=clip

Fonte: http://www.pajiba.com/assets_c/2017/12/mrs-maisel-best-tv-2017-thumb-700xauto-190422.jpg



Com a sua agente e amiga Susie, Miriam vai aperfeiçoar as artes do espectáculo, da comédia e do improviso. Convicta de que quer ser uma comediante de sucesso e de quer ultrapassar os machismos inerentes a essa profissão, Maisel investe na carreira que acabou por descobrir inusitadamente. Para sustentar a sua aprendizagem e as primeiras apresentações, a estreante não se coíbe de arranjar um emprego (como conselheira de maquilhagem) e de abandonar a casa gigante e dispendiosa em que habita. Ao longo dos episódios, dá gosto ver Miriam a transformar-se numa mulher mais do que capaz de se ''virar'' sozinha e de lutar pelas suas ambições. Mas... Será que Joel vai encarar este sucesso da ex-mulher de ânimo leve? Descubram nos singelos oito episódios da Amazon já disponíveis!!


Fonte: https://pmcvariety.files.wordpress.com/2017/11/the-marvelous-mrs-maisel-amazon-studios-2.jpg


Para além de apresentar improvisos fenomenais, Miriam apresenta, também, um guarda-roupa bem catita. 




Mrs. Maisel usa, quase sempre, um estilo muito elegante e bem guarnecido: vestidos midi com sobretudos de malha coloridos, um par de stiletto, luvas e uma boina. A maquilhagem é fácil... É só carregar nos batons vermelhos que têm aí por casa! 




Mais vestidos midi... Têm a opção de apostar num mais rodado ou num mais justinho e de malha! De acrescentar que a bijuteria de Miriam é, contrariamente aos outfits, mais minimalista: brincos com pequenos brilhantes, colares ou fios (junto ao pescoço), com uma pequena medalha ou pendente. 




Por vezes, nas suas performances, Miriam aposta num look mais descontraído, composto por calças cigarette clássicas e camisa ou camisola de gola alta. 

Divirtam-se a tentar adaptar estes looks a 2018 e... «GOOD NIGHT»! 



Fonte: https://i2.wp.com/wherever-i-look.com/wp-content/uploads/2017/12/Mrs.-Maisel.gif?resize=500%2C279&ssl=1




Escrito por Susana Ferreira

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Las Chicas del Cable 🕿📞

Fonte: https://aventurasdegaby.files.wordpress.com/2017/07/las-chicas-del-cable.jpg


A primeira recomendação deste ano é uma série! Ainda estou atordoada com estes estrepitosos anos 20... Julgo que as séries de época são, oficialmente, a minha perdição. Daqui a uns dias, tenho de vos falar de outra que também me arrebatou (anos 50, maquilhagem e guarda-roupa maravilhosos)!! Mas, primeiro, vamos hablar destas chicas telefonistas.

Alba Romero, mulher ardilosa, decide ir trabalhar para a companhia de telefones de Madrid. Bom, trabalhar não é propriamente o verbo. Roubar será mais adequado. Por, outrora, ter estado envolvida num crime, Alba é manipulada por Beltrán, um inspetor da polícia judiciária que faz da rapariga a sua galinha dos ovos de ouro: se a novata do centro de chamadas roubar para ele, nunca cairá numa cela e o seu passado nunca virá à tona.

Sem outra opção, Alba adota o nome de Lídia Aguilar, falseia os exames de admissão da companhia e, com facilidade, passa a ser uma das operadoras de farda azul. Uma vez lá dentro, o acesso ao cofre fica mais agilizado. Daí até roubar para satisfazer Beltrán, era um passo. Ainda que a senhorita Aguilar prefira uma atitude frívola e desligada, vacila quando conhece as suas colegas telefonistas Marga, Carlota e Ángeles e, mais ainda, quando percebe que o seu primeiro amor, Francisco, é o dono da empresa de telecomunicações.

Ao mesmo tempo que lida com os erros do passado, Lídia vai fazer de tudo para proteger e apoiar as amizades que acabara de formar. As quatro telefonistas vão unir-se para resolver os mais variados conflitos e para fazer valer as suas convicções. Marga, a menina do campo, percebe que a sua ingenuidade não é compatível com a vida moderna e acelerada da capital espanhola. No entanto, a sua inteligência e espírito de equipa favorecem os planos do quarteto feminino. Carlota aspira a liberdade, não quer depender de nenhum homem e, muito menos, ser subjugada pela conduta machista do pai. A sua persistência, senso de justiça e vontade de emancipação irão mudar algumas mentalidades e favorecer as classes mais oprimidas, não só da companhia, mas também da sociedade espanhola. Por sua vez, Ángeles, vai aprender com as suas chicas a ser mais independente, determinada e eficaz, já que a relação abusiva em que se encontra está à beira da rutura.


Fonte: http://almomento.mx/wp-content/uploads/2017/11/chicas.png

A série conta já com duas temporadas, cada uma com oito episódios (que passam a voar). Parece que esta primavera vamos voltar a ter novidades e, talvez, venha uma terceira fornada.




🕿📞


Se o argumento tem tudo para vos agarrar, creio que os adereços também. É quase impossível certos pormenores da maquilhagem e do cabelo passarem despercebidos. Assim sendo, deixo-vos três dicas de como trazer, para 2018, alguns apontamentos dos anos 20.



Fonte da imagem de base:
https://fashion.hola.com/imagenes/tendencias/2017122664134/
chicas-cable-netflix-moda-tendencias/0-261-583/chicas-cable-12-a.jpg

1.
Boina: Ainda que os chapéus  ou os pedaços de tecido a envolver a cabeça sejam uma das imagens de marca dos anos 20, as boinas também ocuparam o seu lugar de destaque. Elas regressaram este inverno e conferem um visual, a meu ver, mais elegante. Deixo-vos a minha sugestão aqui.




2. Batons: Nesta série da Netflix, predominam os batons vermelhos, bordô e beringela. Nas fotos que se seguem, não vos mostro nenhum exemplo desta última cor, todavia estou convicta de que, em qualquer loja de cosmética, encontram diferentes tons de beringela para todas as personalidades.










No que diz respeito ao vermelho, apresento-vos esta opção da Kiko: um batom de longa duração, matte, bem vermelhão. Se quiserem dar um ar mais glossy, é só passar com a ponta transparente nos vossos lábios.

Para o bordô, a minha sugestão recai sobre o lápis jumbo da Astra. Desliza muito bem na pele e a cor fica mesmo opaca. Uma vez que é um tom escuro e vistoso, o lápis passa a ser mais vantajoso no sentido de que têm mais controlo quando do desenho das linhas dos lábios.

Em terceiro lugar, apresento uma espécie de topping para os vossos batons de longa duração. Se passarem este rose gold metalizado sobre uma cor matte, vão obter um efeito muito bonito nos lábios. Assim, se quiserem dar uma ar mais ''Gatsby''/festivo à vossa maquilhagem, coloquem, muito suavemente, uma camada deste lip cream por cima da cor que escolherem como base.


Fonte da imagem de base: https://typeset-beta.imgix.net/2017/4/28/f979279c-cfd0-442c-a111-e588c573b788.jpg


3. Cabelo: Finalmente, e se repararem bem, era muito comum as senhoras usarem cabelos encaracolados ou ondulados. Por isso, peguem nesse modelador e divirtam-se! =) E vejam a série!!! Asseguro que vale a pena!! 📞📞📞




Escrito por Susana Ferreira.