sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Uma mulher negra com as mamas à mostra - concretização da atividade

Certamente se recordarão do primeiro post com o mesmo título (https://cantosuperiordireito.blogspot.pt/2017/07/uma-mulher-negra-com-as-mamas-mostra.html), onde referi o interesse em realizar uma atividade que passava pela descrição de uma pintura particular. 

Ora, o exercício foi proposto a dois alunos de 6.º Ano e destaco desde já a sua surpresa ao ouvir que o alvo da sua análise seria AQUELE quadro. 

A pintura trata-se, à primeira vista, de uma mulher negra que exibe a sua frente desnuda. Mas passemos ao olhar dos discentes.


Este quadro retrata uma senhora já de certa idade, a pele dela é negra. 
A figura parece estar contente pois deve ter conseguido comprar comida para os seus filhos. Ela é pobre e não deve poder comprar alimentos. Esta mulher tem muitos acessórios como colares azuis, amarelos e rosas, também uma rasta no cabelo e um lenço na cabeça como proteção para o sol. 
A senhora parece-me estar a olhar para o retrato ou para a câmara, pois ela poderia ter viajado e quis tirar uma foto.
O traço mais relevante é o conjunto de cores no fundo do quadro, porque sem ele a pessoa não ficaria tão destacada.  
   F.


Esta imagem é de uma mulher africana. Ela tem um lenço na cabeça com várias cores, por exemplo azul, a lembrar a noite, vermelho como a raça de um benfiquista e o amarelo como as estrelas a brilharem. 
Na pintura,  a mulher usa uma rasta de cor castanha e um colar de cor verde como o caixote do lixo e cinzento como as cinzas do fogo. Parece estar a pensar no seu futuro.  
O quadro é feito de areia, logo se conseguisse tocar sentiria uma textura rugosa. 
Para mim o traço mais importante é a rasta da mulher porque nunca tinha visto ao "vivo" e fez-me lembrar o Bob Marley. 
L.
(Os textos foram previamente corrigidos.)



Por fim, estas foram as conclusões a retirar:


  • Nenhum dos alunos fez referência ao facto de a mulher apresentar as mamas à mostra como esperado e explicado pelo pudor sentido;
  • Ambos referiram os acessórios envergados pela figura, o lenço, os colares, a rasta, destacando as cores de cada elemento. O L. optou por usar as comparações e enriqueceu desta forma o texto (agora entendo a porquê da insistência em que eu lesse uma delas, dizia ele que estava excelente, é claro que se tratava da referência ao Benfica);
  • Enquanto um considera a mulher contente, apresentando como motivo ter conseguido comida para os filhos, o outro crê que o seu olhar denuncia o ato de reflexão sobre o futuro. Cada interpretação está intimamente relacionada com a personalidade do aluno, se o primeiro revela sempre uma preocupação com a situação do mundo e os problemas inerentes, o segundo tem numa carreira de sucesso um objetivo a perseguir;
  • O primeiro discente alude ao foco do olhar da figura e desviando-se da condição em que a colocou acima, imagina-a a viajar e a pousar para uma fotografia. O F. a encontrar sempre algo de bom em qualquer situação. O segundo aluno enfatiza uma informação que eu já lhe havia dado, o facto de o quadro ser feito de areia e prevê a sua textura caso lhe tocasse. O L. fixa com facilidade todos os dados relevantes. 
  • Para o F. o ponto mais marcante do quadro é a panóplia de cores, que na sua opinião deixam que a figura feminina sobressaia. No caso do L., a rasta da mulher chamou a sua atenção visto que a associou à imagem do cantor Bob Marley. Em relação ao primeiro, reconhece-se a perspicácia na caraterística apontada, no segundo a admiração e destreza em relacionar elementos. 


À exceção das restantes, esta foi uma atividade concretizada para posterior correção. Para a semana entregarei a correção e em conjunto refletiremos sobre as conclusões referidas. Elas coincidiram com as minhas expetativas iniciais e "entrar" na cabeça deles através da escrita revelou-se mais uma vez uma experiência gratificante.  


Deixo-vos o desenho da pintura que acompanhou o texto do L :)



Escrito por Mariana Pinto

Sem comentários:

Enviar um comentário