terça-feira, 25 de julho de 2017

Quando a escrita se torna vulgar

Fonte: https://theimpactnews.com/wp-content/uploads/2017/02/writer.jpg




Constantemente digo aos alunos que a produção escrita é um processo complexo, uma atividade que exige paciência e rigor. 

Na minha modesta opinião, possuir criatividade ou dominar a língua separadamente não fazem de alguém um bom escritor. Mas, como podem supor estas caraterísticas juntas são difíceis de achar. 

Assim, venho expor o meu desagrado em relação à falta de severidade daquilo que às editoras é dado a apreciar e a nós, leitores, a ler. 

Oscilando entre histórias fantasiosas e romances eróticos, a escrita de hoje afigura-se pobre, monótona e vulgar. 

Toda a gente pensa ter enredos para contar, ideias para divulgar, opiniões para partilhar MAS nem toda a gente (entenda-se a maioria) tem talento para o passar para o papel. 

É ridículo e causa-me até revolta perceber que todos os dias nascem escritores que se tornam sucesso de vendas (com nomes tão patéticos como a própria escrita). 

POR FAVOR, REVEJAM AS VOSSAS ESCOLHAS, não leiam vinte vezes a mesma história, não se surpreendam vinte vezes com o mesmo final, EXIJAM MAIS

APELEM A HISTÓRIAS QUE VOS FAÇAM REFLETIR, aquelas com as quais aprendam algo de novo e relevante. 

NÃO ACEITEM NARRATIVAS MAL EMBRULHADAS, COM FRASES E HISTÓRIAS QUE TODOS VÓS SABERIAM ESCREVER E QUE SÓ CONTRIBUEM PARA REDUZIR O ESTATUTO DA HUMANIDADE E FAZÊ-LA SER O ACESSÓRIO QUE ELA SE HABITUA A SER NA VIDA!

Dado o contexto, sou pretensiosa ao ponto de dizer que também eu era capaz de escrever um livro. No entanto, nunca o faria, e sabem porquê? Tenho a plena consciência das minhas limitações ao nível da escrita, tendo em conta o que para mim faz de alguém um bom escritor, como referi acima, e ainda uma vez que não acredito ter nada de significativo para o público considerar. 

Para os que ainda estão a ponderar embrenhar-se ou não na atividade, tenham isto em atenção. Quando encetamos algo, estejamos convictos do nosso brio. Se não é para ser um Fernando Pessoa ou um Victor Hugo eu nem me atrevo 😁


Escrito por Mariana Pinto

7 comentários:

  1. *cough* Pedro chagas Freitas, Gustavo santos, mrp

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada dia um nome e uma história melhor -.-

      Eliminar
    2. Há um episódio de "Family Guy" que ilustra bem estes pseudo livros cheios de frases vazias que parecem intelectuais. "Brian writes a bestseller"

      Eliminar
  2. Ah, sim... agora, qualquer pessoa é escritor.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar