sexta-feira, 16 de junho de 2017

Riverdale 🍧🍹

Fonte: http://www.chuksmobile.com/tv_series/media/tvlarge-Riverdale_28.jpg


Depois de terminar Skam, que adicionei prontamente à lista das séries da minha vida, tive de me agarrar a outra história. A série que eu fosse ver a seguir nunca superaria a sensibilidade e a emoção da obra norueguesa, como tal, de espírito aberto, comecei a ver Riverdale, uma mistura de Scooby-Doo com os clichés de high school americano. Ainda bem que os géneros são completamente distintos porque, longe de comparações, pude assistir a Riverdale tranquilamente. Ainda não fiz o luto de Skam, uma vez que faltam dois ou três episódios para o grande término, mas já começo a sentir saudades (😭😭). 

Riverdale é o nome de uma cidade sombria e misteriosa. Desde o assassinato do jovem Jason Blossom, herdeiro de uma fortuna considerável, incluindo o negócio do xarope de ácer, que a população vive em sobressalto. As sucessivas notícias que publicam o desenvolvimento da investigação do homicídio e os danos colaterais que a morte de um dos gémeos Blossom deflagrou, fazem da cidade um autêntico local de caça às bruxas. Os adolescentes Archie, Betty, Veronica e Jughead aguçam a sua veia de Sherlock Holmes e começam a investigar por si. No meio desta encruzilhada, ainda têm de lidar com a disfuncionalidade familiar, com a pressão psicológica típica da fase de liceu e com as dúvidas que surgem relativamente ao percurso académico. Numa Riverdale à beira do colapso, o Pop's é o restaurante de eleição e o sítio mais seguro para o convívio e para um milk shake saboroso. 

O ponto positivo mais evidente desta série, para além do mistério muito bem montado, é a caracterização das personagens. O guarda-roupa e a maquilhagem conferem às personagens um lado caricatural pronunciado que satiriza os clichés americanos. Se, por um lado, Betty é a menina perfeita de rabo de cavalo repuxado, Cheryl é a ruiva sensual e lúgubre, uma mistura de Jessica Rabbit com o obscurantismo das narrativas de V.C. Andrews sobre os irmãos Dollanganger. 

A série é um original Netflix, mas é exibida pelo canal CW. A primeira temporada é composta por treze episódios e já há a confirmação para uma segunda (a estrear em outubro deste ano). Se também sentes que deverias ter seguido uma carreira na investigação, esta história é para ti. 😏😏



Escrito por Susana Ferreira. 

2 comentários:

  1. Está na minha lista de espera. Já ouvi tanto falar sobre ela e cada coisa que leio sobre esta série me suscita mais curiosidade!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei muito!! Está muito bem conseguida! A ponte para a segunda temporada também me suscitou muita curiosidade.

      Eliminar