segunda-feira, 26 de junho de 2017

A 1.ª vaga



Fonte da imagem de base: http://lh6.ggpht.com/8LUjbsOdcabHyuRMJS--hfvSnf36A2O_dY_uL7AKVi3FGuMh7BE661YMDA_CYbF6FOsn6j__KeuYYVULO21Eqg=s480-c-e365



No sábado, depois de assistir ao jogo Portugal x Nova Zelândia*, a amiga com quem estava lança a pergunta fatídica: vamos espreitar os saldos????


*Um bocadinho frouxo no início, mas na segunda parte lá arrebitou. Vamos ver como é que as coisas correm, na quarta-feira (dia 28), com o Chile. Gostava muito que Portugal marcasse, novamente, presença numa final. Estou a ficar demasiado entusiasmada, no que diz respeito a estas competições. Mas sabem como é, quando uma pessoa reconhece (finalmente) um fora de jogo, o céu é o limite. Teoria do futebol? 20 valores. 


- Sim, vamos. Pode ser que haja alguma coisa gira. 

Quando chegámos à superfície comercial, reparei que não deambulava muita gente pelos corredores. Ótimo. Felizmente os zombies ainda não chegaram aqui, ainda está tudo calmo. Ninguém está infetado. Falei cedo demais... Na verdade, DENTRO das lojas já andavam walkers por todo o lado. Atacavam as t-shirts, os vestidos e as roupas de praia e, nos provadores, iam satisfazendo o seu desejo primitivo de consumir têxtil.


Não censuro. Nos saldos, a roupa ganha vida. As camisolas deixam de estar dobradinhas e sossegadas nos expositores, para fazer parte de uma balbúrdia de um charriot qualquer. Quase caem para cima do consumidor, uma vez que, muitas mãos depois, o que era um charriot passa a ser uma maqueta do monte Evereste. 


As etiquetas vermelhas berrantes lançam um perfume encantado que faz com que todos sigam o seu rasto. CAMISAS DESDE 9.99 €!!!! E lá vão os zombies atacar as suas presas. 


Nunca encontro nada que valha a pena nos saldos. Fujo das montanhas, dos expositores enxovalhados e das roupas que, claramente, estão presas no armazém desde 1990. Só vêem a luz do dia nesta época que, para elas, é de festa. Não se enquadram no design das suas colegas de cruzeta e, as que têm a intenção de exibir a cor branca, ficam-se pelo bege sujo (literalmente sujo). 


Enfim, depois desta imersão falhada nos saldos, decidimos fazer o que realmente importa: comer. Deslocámo-nos ao setor da restauração e tudo fez sentido. Molhar batatas fritas em molho cheddar!! O que se pode querer mais nesta vida? 🍟🧀😍




Escrito por Susana Ferreira. 

2 comentários:

  1. Eu comprei uns calções e um bikini este fim de semana, mas é uma tortura para mim andar nas lojas :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo... Ainda para mais se está tudo uma confusão e a abarrotar de gente. Na verdade, penso que é uma técnica: como os artigos que estão em saldos são uma balbúrdia, as pessoas vão começar a encaminhar-se naturalmente para a nova coleção (esta sim, já toda arrumadinha, aprumada e arejada). Assim, as lojas nunca ficam a perder =D

      Eliminar