sexta-feira, 17 de março de 2017

Hello brothers, Goodbye brothers.

Fonte: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/ec/e7/7c/ece77c674c4a8ead31972bc39ab836b3.jpg


Faz hoje precisamente uma semana que terminou uma das séries da minha vida. Não, não é pela magnifica obra de arte que foi moldada durante estas (arrastadas, admito) oito temporadas. Porque não considero, de todo, que seja uma obra de arte. Contudo, ainda foram alguns anos a acompanhar, semana a semana, as aventuras dos irmãos Salvatore em The Vampire Diaries. Comecei a ver este drama adolescente em 2013, apanhei o barco a meio do caminho, mas os quatro anos que se seguiram permitiram que estabelecesse uma certa afetividade e compromisso com a série.

Digamos que The Vampire Diaries é aquele guilty pleasure que se vê num sábado preguiçoso.

TVD encerra inúmeros acasos, os protagonistas enfrentaram vilões poderosos, quer para salvar a sua própria pele quer para defender o futuro da prodigiosa Elena. Até à 6.ª temporada, o argumento prendeu-se muito com a dinâmica amorosa Stefan-Elena-Damon, todavia, com a saída da atriz Nina Dobrev, a série tomou um novo rumo e focou-se (e bem) na relação dos irmãos que permitiram que esta história acontecesse durante oito anos. A série inicia com a promessa de um ajuste de contas entre os Salvatore e termina com uma declaração de amor fraternal.



Fonte: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/fc/f7/31/fcf7314d013f4444bb95b2c80a94f9f8.jpg


Apesar de muitos episódios surpreenderem pela sua qualidade técnica e por se apresentarem como verdadeiros filmes de ação, outros deixam escapar pormenores importantes. O capítulo final, que deveria ser o suprassumo da excelência, falhou claramente no que diz respeito à caracterização da personagem Elena Gilbert. A peruca que escolheram para a atriz (que agora usa cabelo curto) não era adequada, distraindo o espectador ou provocando o riso nas cenas de maior tensão dramática.

Confesso que não senti falta da Elena na jornada final da série, porém os criadores desejaram que ela regressasse do seu estado de coma e vivesse uma vida longa e feliz ao lado do Damon. Reconheço que era do agrado dos seguidores que um amor tão peculiar acabasse de uma forma harmoniosa e se prolongasse tanto quanto permite a vida humana. Espantou-me, no entanto, a falta de química entre o casal que, outrora, recebeu prémios e menções honrosas pela sua interpretação notável.

Por outro lado, ainda que, em algumas ocasiões, TVD se tenha transformado numa feira de enchidos, o final foi bem rematado, tocando em pontos muito sensíveis e nostálgicos para o espectador. A doação que Klaus* enviou para a escola que Caroline fundou, a aparição de personagens que marcaram o início da série, os corvos a esvoaçar pelo cemitério enquanto Elena escrevia no diário e a despedida de Stefan contribuíram para a apoteose da história.

Na minha opinião, a cena final que retrata o encontro dos irmãos (na vida eterna) é sublime. Só poderia acabar com uma mensagem de redenção, a elevar o valor da família.


Vou ter saudades...


Fonte: https://68.media.tumblr.com/053aed95deb3cac93d14704ed656ca27/tumblr_inline_ognfhx7Hll1u86kr9_500.gif



(*The Originals regressa hoje, dia 17 de março. Há que sublinhar que apesar de TVD ter sido uma série experimental em alguns aspetos e voltada, sobretudo, para um público adolescente, The Originals apresenta uma história madura e uma qualidade técnica muito acima do drama que lhe serviu de base.)


Escrito por Susana Ferreira. 

2 comentários:

  1. Dos episódios que vi, gostei. :)

    * * * *
    Ana Teles {Telita} | blog: Telita LifeStyleFacebookinstagramBlogs Portugalfeedly


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma série com surpresas constantes Ana. E com uma banda sonora on point. Obrigada pelo teu comentário =)

      Eliminar