quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

This Is US, 老师 e 同学

Fonte: https://lh6.googleusercontent.com/proxy/LHOOb1XRgTwNaoOm1spJGq3HPdHymZecDJMqTQUP46ZbAt1PqsB3PV1rhg1_
GlLvGzD0Wu5aVkbhILJBxbDQ-ea6SnRNUo7eJL_4faFKL8EdolJJmCAlw6FY6KVpnzOEvF5Vsz2BVH64u99PKQMUOH4=s0-d


É engraçado como, de alguma forma, acabamos sempre por nos relacionar com pessoas que partilham os mesmos gostos do que nós, nos locais mais inesperados. Claro que tudo isto acontece naturalmente, sem vincos.

No final do ano passado, comecei a aprender Mandarim. Logo na segunda aula, o professor (lǎoshī, 老师) confessou que era vidrado em The Walking Dead e eu pensei «ó meu deus, já me sinto integrada!».

Para aliviar as aulas, o lǎoshī tira cinco minutos para falar das novidades do cinema, da televisão ou para, simplesmente, contar histórias caricatas que aconteceram nos doze anos que viveu em Pequim.

Nos intervalos, prologamos essas conversas entre nós, colegas. Apesar de termos idades distintas, as séries aproximam-nos. Uma das minhas colegas de turma (tóngxué, 同学) aconselhou-me a ver This Is US e, como já terminei Westworld (#sad), decidi seguir a sugestão dela.

Aqui não se trata o futuro, nem a tecnologia e, muito menos, as consequências disso. Westworld é genial, mas This Is US, dentro do seu género é, igualmente, extraordinária, não tivessem sido elas concorrentes diretas nos Golden Globes deste ano.

This Is US conta-nos a história dos irmãos Pearson, nascidos no mesmo dia e no mesmo ano. Para que compreendamos a situação em que se encontram agora, é-nos dado a conhecer, através de constantes analepses, o percurso das personagens até ao momento presente.

A série ganha pela simplicidade e pela sensibilidade que demonstra. Com uma premissa clara, alerta-nos para os problemas característicos das famílias (as mágoas que ficam entre irmãos ou entre pais e filhos ou, ainda, entre marido e mulher), para a angustiante luta contra obesidade e para a máquina ardilosa de Hollywood.


Fonte: https://heavyeditorial.files.wordpress.com/2016/10/nup_172436_2729.jpg?quality=65&strip=all&w=780&strip=all


Kate e Kevin são gémeos e, como tal, têm uma ligação muito estreita. Kevin não dá um passo sem saber que tem o apoio da irmã. Se ela vive atormentada com o excesso de peso, ele tem de lidar com o facto de ser o «menino bonito» de Hollywood. Ainda que queira alcançar papéis que o desafiem enquanto ator, Kevin é escolhido com base na sua aparência, o que o torna extremamente inseguro quanto às suas faculdades intelectuais. 



Fonte: https://shechive.files.wordpress.com/2016/09/screen-shot-2016-09-21-at-3-48-27-pm.png?w=1135&h=627

Randall é o irmão adotado e negro de Kate e de Kevin. As palavras «adotado» e «negro» foram propositadas, já que é dos estereótipos a elas associados que advêm as contradições de Randall. Por quererem TANTO manter a igualdade entre os três filhos, os pais Pearson esqueceram-se de dar atenção às diferenças. Randall é sobredotado, o que fez com que tivesse de frequentar uma escola específica. Kevin sempre se sentiu inferior face ao irmão «sabe-tudo». Agora adultos, tentam reconstruir uma relação que a adolescência abalou.

Enfim, uma série absolutamente recomendável. Comecei na terça e já vou para o episódio 08! Shhhh... 😇😇



Escrito por Susana Ferreira. 

Sem comentários:

Enviar um comentário