sexta-feira, 17 de junho de 2016

«Tu não és tu»

Fonte: http://spinoff.comicbookresources.com/wp-content/uploads/2015/11/alice-poster3.jpg


Se há coisa que me prende são as obras de carácter fantasista, como esta. Eu e o imaginário, o imaginário e eu... Temos uma relação séria! Tão séria que decidi escrever a minha tese de Mestrado sobre ele. Apesar de terem sido tempos duros (não vou mentir), sinto algumas saudades... Sobretudo porque aprendi muito acerca de um tema que sempre me fascinou. 

Quando falamos de imaginário é difícil não pensar em Tim Burton e nos seus mundos peculiares e encantadores. Apesar de não ter realizado este segundo filme da Alice, é inegável a sua presença ainda que no papel de produtor. Aliados a Tim Burton vêm, como já é hábito (quase estranharíamos se assim não fosse), Johnny Deep e Helena Bonham Carter. Com uma equipa destas, já acreditamos ser impossível sair o tiro pela culatra.  


Fonte: http://www.thefashionisto.com/wp-content/uploads/2015/11/Alice-Through-the-Looking-Glass-Poster-Red-Queen-Helena-Bonham-Carter.jpg


Alice (agora capitã de um navio, com a sua própria tripulação) atraca em Londres, depois de uma aventura pela China. Compelida pela lagarta (que agora já é borboleta) Absolem*, atravessa um espelho mágico e regressa ao País das Maravilhas. Todos a recebem com saudades, mas também com alguma preocupação. 

*A voz da borboleta Absolem é a do eterno Professor Severus Snape, Alan Rickman. De realçar que o filme é em sua memória.   

O Mad Hatter já não é o mesmo. Desde que descobriu o primeiro chapéu que fez e que ofereceu ao seu pai, pensa que a sua família ainda pode estar viva. Apesar da imensa ternura que Alice sente pelo amigo, fá-lo ver que isso é um acontecimento impossível e que nada pode fazer para o ajudar. Visivelmente incomodado e desiludido com o uso da palavra ''impossível'', o Chapeleiro ordena que Alice saia da sua casa e diz-lhe algo como:


«Tu já não és tu! A minha Alice acreditaria em mim.»



Fonte: http://img.huffingtonpost.com/asset/scalefit_630_noupscale/563fa18c1400006f023ca32e.jpeg


Vendo o desespero do Chapeleiro, Alice toma a sua resolução. Com as indicações da Rainha Branca, a menina prometida do País das Maravilhas vai, literalmente, lutar contra o Tempo para reaver a família do seu amigo. É uma aventura a não perder, sobretudo pelo ensinamento que nos dá. A verdade é que «não podemos mudar o passado, só aprender com ele»! Ao contrário do que apregoamos, o Tempo não é ladrão de tempo. Mas não vos dou mais pistas porque o mais interessante é chegar a estas conclusões à medida que vemos o filme. =) 



Fonte: http://cdn.collider.com/wp-content/uploads/2016/03/alice-through-the-looking-glass-poster-time.jpg


O final é extraordinário, selado com mais uma frase icónica do nosso Chapeleiro ;) Arrisco-me a dizer que, dos dois, este foi o meu filme favorito. A viagem que Alice faz no tempo permite que o espectador conheça novas histórias, como por exemplo, o motivo do desentendimento entre as duas irmãs, Rainha Branca e Rainha Vermelha, e a razão pela qual, no episódio do Chá, os convivas estavam, eternamente, à espera da prometida.  



Fonte: http://www.fashiongonerogue.com/wp-content/uploads/2015/11/Anne-Hathaway-Alice-Through-Looking-Glass-Movie-Poster.jpg


Em termos visuais, meu deus... TANTA CRIATIVIDADE JUNTA!!!! =D 

São bastante evidentes as influências surrealistas de René Magritte e do ocultismo de Giuseppe Arcimboldo. Por outro lado, no que diz respeito aos cenários, jamais me esquecerei da sala dourada dos relógios, onde o Tempo decide a morte dos habitantes do País das Maravilhas. (Esta foi a melhor foto que consegui da sala a que me refiro).



Fonte: http://img.lum.dolimg.com/v1/images/videothumb_alicethroughthelookingglass_trailer_bb52eb9b.jpeg?region=0%2C0%2C1024%2C576


Outra grande evidência é a caracterização das personagens. A maquilhagem é um ponto-chave deste mundo maravilhoso. Já sabem que aqui no CSD somos as três loucas por produtos de lábios e, como tal, o batom da Rainha Branca não passou despercebido =D



Fonte: http://vignette4.wikia.nocookie.net/aliceinwonderland/images/c/c2/Whitequeen4.jpg/revision/latest?cb=20100302235038&path-prefix=es


Fui à procura deste tom assim meio vampy e encontrei um lápis da Astra, o Jumbo Lipstick 04! Até é parecido, não? 




Ficaram com curiosidade? Já viram o filme? Qual é a vossa opinião?

Prometo que vale a pena! =)



Escrito por Susana Ferreira. 

Sem comentários:

Enviar um comentário