sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

«Tea? It’s like a hug in a cup!»


Fonte: http://ecx.images-amazon.com/images/I/41mLCiFz-7L._SX940_.jpg

O meu fascínio pela compreensão do comportamento humano levou-me a descobrir «The Mentalist». A série estava no ar desde 2008 mas a vontade de a espreitar só surgiu no início deste ano. As séries são, efetivamente, um vício para mim. Transportam-me para uma dimensão imaginária e, durante cerca de quarenta minutos, entro numa espécie de entorpecimento. Depois, como qualquer viciado que se preze, penso: «Só mais um episódio! Este acabou de uma forma tão misteriosa! Tenho de saber o resto!». E assim, em jeito de «Só mais um!», assisti às sete temporadas das aventuras de Patrick Jane, o indispensável consultor do CBI. 
Para além da sua obsessão por chá ou pelo sofá do departamento de investigação, Jane resolve os casos que chegam à sua equipa (constituída pela agente chefe Teresa Lisbon, pelo eficaz Kimball Cho, pelo protetor Wayne Rigsby e pela rigorosa Grace Van Pelt), de forma peculiar. Recorrendo a truques de ilusionismo, à sugestão, à manipulação de comportamento e à hipnose, consegue chegar, facilmente, aos criminosos que afrontam a segurança do estado da Califórnia. Por ser um conversador nato, sedutor e excessivamente confiante na sua arte, não se adivinha que Jane encobre um passado doloroso. Se quiserem conhecer o eterno Patrick Jane, maravilhosamente interpretado pelo ator Simon Baker, e aprender alguns mind tricks vejam «The Mentalist». Garanto-vos que vão criar uma empatia imediata com as personagens e com as suas histórias. Custou-me muito fazer o luto desta série. Um dia, irei revê-la. 

O que aprendi com a personagem Patrick Jane?
  1. Os videntes não existem. Existem bons observadores e bons charlatães.  
  2. Inspirar e expirar tranquilamente. Quando inspiramos, projetamos na mente o número 1. Quando expiramos, pensamos no número 2. Com este truque, podemos superar a dificuldade em adormecer.
  3. A vingança corrói. 
  4. «Someplace nice» = Grand Canyon.
  5. Um Citroen DS21 é sempre uma ótima escolha. 
  6. Num fato de homem, o colete é fundamental.
  7. «Tea? It’s like a hug in a cup!».

Para vos aguçar a curiosidade, fica uma das cenas da primeira temporada! 
P.s. Coloquem-se na pele da agente Teresa Lisbon e sigam as indicações do nosso mentalista ;)




Escrito por Susana Ferreira.



Sem comentários:

Enviar um comentário